Otimização: Windows 8 consumirá menos memória que Seven

A Microsoft anunciou em seu blog oficial de desenvolvimento que o Windows 8 consumirá muito menos memória do que seu antecessor Windows 7. A quantidade desse recurso que é consumida pelo sistema representa muito dos requerimentos que são necessários para que ele possa ser executado em uma máquina.

 

 

Ainda segundo a empresa, o objetivo inicial era apresentar os mesmos requerimentos do Windows 7. Com isso, eles seriam capazes de garantir que as pessoas que utilizam aplicações para essa versão pudessem utilizá-las no novíssimo Windows 8 sem grandes dificuldades, dispensando assim a compra de um novo aparelho causada pela mudança do SO.

Mas a Microsoft ponderou na necessidade de adaptar o uso do sistema para os tablets e dispositivos do tipo SoC (baseados em chip), que consomem pouca bateria. Para isso seria essencial que o sistema deixa-se a memória disponível para que o dispositivo possa executar aplicações de forma concorrente e tenha como mantê-los rodando simultaneamente.

Alguns Testes

No mês de setembro, durante uma demonstração nos Estados Unidos, a Microsoft apresentou uma comparação entre os sistemas Windows 8 e 7 no que se diz respeito ao uso da memória. Ambos foram instalados em um computador com 1GB de memória RAM, que seria o requisito mínimo para rodar o sistema.

 

 

Os mesmos forma comparados quando reinicializados várias vezes consecutivas e durante um período de inatividade. Os SOs também foram comparados e durante um período de inatividade. O mesmo teste foi feito durante um período de atividades normais.

O Windows 7 exigiu no mínimo 404 MB de RAM apenas para seu funcionamento, já o Windows 8 consumiu apenas 281 MB.

Estamos melhorando!

E pensando em otimizar ainda mais esta taxa, a Microsoft conta com uma série de modificações. Entre elas, o uso da memória será combinado: um gerenciador interno de memória será responsável por detectar itens duplicados e excluí-los. Dessa forma, o elemento permanecerá ativo apenas uma vez, poupando endereços da memória. Além disso, ele será capaz de priorizar os aplicativos em detrimento daqueles que estão rodando em segundo plano. Alguns dos serviços, embora permaneçam ativos por gatilho que indiquem a necessidade de sua atuação.

Um exemplo; o Windows Update será ativado apenas quando o sistema detectar que precisa de uma atualização. Adicionalmente, a companhia pretende implementar uma função de limpeza da memória. Sendo assim, dessa maneira, quando um serviço que não está mais em uso permanecer ocupando um endereço, o sistema se encarregará de retirá-lo da sua memória.

Mas acima de tudo, de uma maneira geral, o sistema possui um esquema mais bem elaborado de prioridades para a memória e a sua alocação, o que por si só já garante mais rapidez à nova versão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.